Nos últimos meses foi possível acompanhar pela mídia online e redes sociais bastante discussão a respeito de contaminação de legionella por meio do solo. A princípio isso pode parecer estranho já que a legionella é inteiramente aquática. Isso não é bem verdade, existem mais de 50 espécies diferentes de legionella catalogadas e mais de 70 sorogrupos identificados. As que causam problemas para o ser humano são poucas sendo a Legionella pneumophila a mais perigosa. Mas há também a Legionella longbeachae que foi identificada pela primeira vez em Long Beach na California.

Esta possui algumas particularidades em relação a L. pneumophila, ela é encontrada nos solos e em adubos industrializados podendo causar quando inaladas doenças como a Febre Pontiac e algumas vezes o Mal dos Legionários. Há alguns países que possuem maior histórico de doenças detectadas pela L. longbeachae sendo que a Austrália lidera com o maior número de casos conhecidos (inclusive lá toda embalagem de produtos contendo solo para jardinagem possui uma etiqueta alertando para o risco de contaminação pela L. longbeachae), mas há também casos reportados na Nova Zelândia, Inglaterra, Estados Unidos, Japão entre outros. Algumas dicas encontradas no site do departamento de saúde da Austrália diz para abrir qualquer embalagem contendo solo de forma cuidadosa, preferencialmente com o uso de uma tesoura em um local arejado, se possível molhar a terra antes de manuseá-la ajuda a evitar a suspensão de partículas, lavar as mão após lidar com os jardins e uma máscara facial caso não seja possível evitar a suspensão das partículas do solo.

Para mais informações a respeito dessa bactéria, clique aqui para conferir alguns links de departamentos públicos de saúde e notícias dos últimos relatos de infecções pela L. longbeachae.