Em 06 de setembro de 2013, o CDC (organismo responsável por controle e prevenção de doenças infecciosas nos Estados Unidos) publicou o relatório bianual de vigilância de surtos de doenças originárias da água entre 2009-2010 (a partir de dados investigados pelo sistema público de saúde). Os dados são apenas para surtos documentados, ou seja, dois ou mais casos relacionados por sintomas clínicos, agente infeccioso e espaço geográfico (dessa forma estão excluídos os casos isolados ou cuja relação não foi estabelecida oficialmente). A Legionella desponta com representatividade nos riscos de doenças originárias da água para consumo humano sendo responsável por:

  • 57,6% da causa dos surtos
  • 7% do número absoluto de enfermos (Campylobacter teve 78%)

Para água para outros consumos (não direcionada ao consumo humano e nem para recreação) a Legionella foi responsável por:

  • 58% dos surtos
  • 42% do número absoluto de enfermos
  • 96% das hospitalizações
  • 100% das mortes

O interessante sobre esses dados é que quando se avaliam os surtos, ou seja, dois ou mais casos cuja a infecção é a mesma e há uma relação geográfica entre os casos, a Legionella desponta como grande causa quando a origem do surto é a água. Mas se olharmos atentamente para o número absoluto de enfermos temos uma disparidade muito grande quando em sistemas de água para consumo humano e sistemas de água para outros consumos (estão ai incluídos sistemas de resfriamento por exemplo). Essa disparidade nada mais é que o reflexo da capacidade de contaminação da comunidade a partir de gotículas de água, sistemas de água para consumo humano normalmente tem um alcance de arraste de gotículas muito menor do que o arraste de gotículas a partir de sistemas industriais de resfriamento, por exemplo. Entretanto a representatividade do número total de surtos é o mesmo para ambos os sistemas, o que nos leva a ver também que independentemente do uso da água e da possível qualidade dela. Uma das razões para isso é o fato de que a Legionella torna-se um risco a partir das condições que ela encontra nos sistemas de água. Toda água tem potencial de estar contaminada com Legionella e isso não é um fato de risco para infecção (o risco depende do sistema de água), diferentemente da Campylobacter que o risco de contágio se encontra na sua presença na água (pequenas concentrações de Campylobacter já são capazes de iniciar uma infecção).

Isso ressalta a importância de que qualquer sistema de água (seja de água potável, para uso em processos ou qualquer outro) seja avaliado no seu potencial de ampliar e disseminar a Legionella no ambiente reforçando ainda mais a responsabilidade de quem possui em sua propriedade algum sistema de água assim como também quem o gerencia, o opera e o utiliza.

 

Referência:

1. CDC – Centers for Disease Control and Prevention – Surveillance for Waterborne Disease Outbreaks Associated with Drinking Water and Other Nonrecreational Water — United States, 2009–2010