A Legionella é um gênero de bactérias naturalmente presentes na água e na terra úmida que pode causar doenças respiratórias, das quais a mas grave é conhecida como o mal dos legionários (pneumonia atípica que pode ser fatal). Elas freqüentemente colonizam sistemas de água, incluindo as redes de água potável, sistemas recreacionais e sistemas de resfriamento.

Seu habitat natural é o ambiente aquático tanto natural quanto artificial. Ela possui boa interação com outros microorganismos, e possui vida livre na água ou, mais frequentemente, vive em biofilms que lhe fornece proteção e nutriente. Além da natureza da água, temperatura e tipo de materiais utilizados na canalização também desempenham um papel importante no seu desenvolvimento.
Além disso, protozoários (incluindo as amebas) são os hospedeiros naturais da Legionella. A bactéria e seu hospedeiro ter evoluído convergente permitindo que as bactérias adquiridos no gene genética que codifica para a maior parte dos factores de virulência de Legionella. O mecanismo utilizado pela Legionella ao infectar uma ameba é apontado pelos pesquisadores como sendo o mesmo utilizado para infectar glóbulos brancos humanos e é entendido como a chave para o entendimento da virulência dessa bactéria.
A infecção pela Legionella pode apresentar dois quadros clínicos distintos:
O mal dos legionários: pneumonia grave, distúrbios digestivos, insuficiência renal e requer tratamento com antibióticos (fatal em até 15% dos casos adquiridos na comunidade e até 50% quando em hospitais);
Febre Pontiac: similar à gripe com sintomas auto-limitados.